enpt-br

Artigos

Guia Michelin: um exemplo de RP

Em 1900, André Michelin, um industrial frances, co-fundador da fábrica de pneus Michelin publicava pela primeira vez o Guia Michelin.Era o inicio da industria automobilística e ele queria vender mais pneus.Mas para vender mais pneus era preciso que os franceses usassem mais seus carros, de preferência em viagens pelo interior da França.Então ele montou um time de pesquisadores cujo objetivo era levantar hotéis e albergues com restaurantes.Ele distribuía estrelas como forma de reconhecimento da qualidade.esse foi o inicio do mas criativo e ousado plano de relações publicas já conhecido.Hoje, passados mais de100 anos ,o guia Michelin tem vida própria e é publicado em dezenas de cidades pelo mundo.Ainda pertence aos pneus Michelin e é tão lucrativo quanto fabricar pneus.Sua influencia é tanta que o estrelado chef Frances Bernard Loiaseau ao perder a terceira estrela em 2003 suicidou-se.

Ilustro com esta história exemplar a minha tese de que planos de relações Públicas são tão ou mais eficazes que simplesmente anunciar produtos.

Quando eu ainda estava a frente da Martins & Andrade, nós tínhamos um departamento  de Relações Publicas dirigido então pela Maria Luiza Faller, uma autêntica RP.Nós mapeávamos nossos clientes, sua família,seus hábitos e gostos  e procurávamos estar sempre presentes em suas vidas,enviando mensagens, presentes,lembranças.Até hoje encontro antigos clientes que revelam ter guardado nosso cartão de boas vindas ao primeiro filho.

Se os planos de RP sempre foram eficazes nas organizações, porque os profissionais da área estão em extinção?

Muitos deles forma substituídos por jornalistas ou o que é pior, ”promoteurs”.

Ser Relações Publicas virou sinônimo de organização de festas e eventos.

Um vez em Washington visitei uma agência de relações Publicas.Seus clientes eram todos grandes empresas que não podiam anunciar como por exemplo grandes laboratórios farmacêuticos.

O trabalho que eles realizavam era o que hoje chamamos de “Ações de Relacionamento”

O seu faturamento era tão alto quanto de uma agencia tradicional.

Vejo hoje no mercado, agencias de propaganda e assessores de imprensa.Mas nada de relações Públicas.Está mais do que na hora de voltamos os nosso olhos para esse filão que foi e ainda é importante na vida das empresas e corporações.

~

por Laerte Martins
02/04/2013